NOSSAS PRÁTICAS

O que estamos fazendo para evoluir cada dia mais no compromisso com o bem-estar dos animais.

Nossas práticas de bem-estar animal são balizadas pelas diretrizes da World Organisation for Animal Health (OIE) e pelos requerimentos da União Europeia, em todas as unidades da BRF, inclusive na Argentina e na Tailândia.

Abaixo, alguns dos princípios que direcionam as práticas de nossas três cadeias de animais:

- Não utilizamos hormônios, nem animais animais clonados em nosso sistema de criação. Medicamentos e vacinas são manipulados apenas sob indicação de um médico veterinário, em sintonia com as legislações, normas de clientes e diretrizes internas. Buscamos melhorias contínuas de nossos processos, possibilitando a redução gradual de uso de medicamentos em toda cadeia.

- A BRF possui indicadores específicos que avaliam o desempenho das granjas e dos procedimentos de abate. Esses indicadores estão sendo aprimorados para inclusão de outros indicadores de bem-estar animal (gait score). Existe um controle contínuo de mortalidades, ganho de peso dos animais, densidade nas granjas (que significa a quantidade ou o peso vivo de animais por metro quadrado em uma instalação), ocorrência de doenças para todas as fases, o tempo médio de transporte dos animais vivos e os processos de insensibilização pré-abate, atuando com ações corretivas quando necessário.

- A BRF adota as premissas do abate humanitário e 100% dos animais são insensibilizados antes do abate, respeitando especificações religiosas quando solicitadas pelo mercado.

- Temos um Comitê Corporativo de Transporte de Cargas Vivas que realiza o acompanhamento dos índices de transporte agropecuário. Nossa diretriz corporativa define tempo e distância máxima de transporte, diferenciando por tipo de animal. Os caminhões possuem rastreadores para controle de velocidade e rota pré-determinados. Os motoristas são periodicamente treinados.

- Estão sendo testados distintos instrumentos para enriquecimento ambiental em diversas granjas da Companhia para identificação dos melhores mecanismos que contribuem para o comportamento natural dos nossos animais e redução do estresse.

- Treinamos e capacitamos periodicamente nossas equipes de carregamento quanto às boas práticas de manejo, garantindo os procedimentos de apanha de forma tranquila.

- Todos os produtores possuem em suas propriedades planos de emergência para direcionar o produtor no que fazer em casos de sinistro.

- Todas as propriedades possuem estoque mínimo de água de qualidade para 24 horas, garantindo que os animais estejam livres de sede em caso de sinistros.

- Construímos parcerias com universidades e pesquisadores para o desenvolvimento de práticas produtivas sustentáveis e que atendam o bem-estar dos animais de produção.

- Em 2015, como parte das ações da parceria com a World Animal Protection, treinamos 250 colaboradores e realizamos cinco eventos de sensibilização para as lideranças e os operadores envolvidos com o tema.

Confira abaixo algumas práticas diferenciadas por cada espécie:

FRANGOS

Conheça nossas práticas na criação de frangos:

- A BRF respeita a densidade exigida por seus protocolos específicos, considerando a base legislada pela União Europeia como diretriz mínima, e a superando em muitos casos. As aves possuem espaço para se movimentar, com possibilidade de exercer o comportamento natural, exemplo banho de "areia", espojamento, bater de asas etc.

- Todas as aves possuem acesso continuo a água com qualidade e quantidade suficiente para que tenha seu melhor desenvolvimento. São instalados hidrômetros em todas as propriedades, nas quais o consumo de água é monitorado, mantido registro e, em caso de desvios, os mesmos são corrigidos diariamente. A maioria das instalações é dotada de equipamentos para auxiliar na manutenção da temperatura ideal da água (flushing).

- São feitos registros diários das temperaturas máximas e mínimas da instalação. São utilizados aquecedores, ventiladores ou exaustores e nebulizadores para manutenção da adequada temperatura para conforto dos animais.

- São respeitados os mínimos de 8h de luz ao dia e 4h de escuro, seguindo ritmo dia/noite e intensidade de luz adequada para cada fase em cada sistema de criação.

- Adotamos como métrica de cama para os animais cerca de 10 cm de profundidade e manejamos constantemente para que esteja sempre fofa e seca e, sempre que necessário, a cama é renovada, pois além de proporcionar conforto térmico, favorece o espojamento das aves. Toda a cama (composta por maravalha e/ou casca de arroz) vem de fornecedor aprovado garantindo qualidade controlada.

- Cerca de 50% do processo produtivo se dá em sistema aberto de criação (instalações que trabalham com cortinas abertas usando o máximo da condição natural do ambiente, também chamado no Brasil de sistema convencional), optando por sistemas fechados nas localidades em que a temperatura ambiente é extremamente elevada e, portanto, difícil manutenção da temperatura ideal de conforto para as aves. Em mais de 75% das instalações os animais possuem acesso a luz natural.

PERUS

Conheça nossas práticas na criação de perus:

- A BRF respeita a densidade exigida por seus protocolos específicos, considerando a base legislada pela União Europeia. As aves possuem espaço para se movimentar, com possibilidade de exercer o comportamento natural, exemplo banho de "areia", bater de asas etc.

- Todas as aves possuem acesso continuo a água com qualidade e quantidade suficiente para que tenha seu melhor desenvolvimento. São instalados hidrômetros em todas as propriedades, nos quais o consumo de água é monitorado, mantido registro e desvios corrigidos diariamente. Todas as instalações são dotadas de equipamentos para auxiliar na manutenção da temperatura ideal da água (flushing).

- São feitos registros diários das temperaturas máximas e mínimas da instalação. São utilizados aquecedores, ventiladores ou exaustores e nebulizadores para manutenção da adequada temperatura para conforto dos animais.

- São respeitados os mínimos de 8h de luz ao dia e 4h de escuro, seguindo ritmo dia/noite e intensidade de luz adequada para cada fase em cada sistema de criação.

- Adotamos como métrica de cama para os animais cerca de 15 cm de profundidade e manejamos constantemente para que esteja continuamente em qualidade ideal, sempre que necessário a cama é renovada. Toda a cama (composta por maravalha e/ou casca de arroz) vem de fornecedor aprovado garantindo qualidade controlada.

- Cerca de 50% do sistema produtivo se dá em sistema aberto de criação (instalações que trabalham com cortinas abertas usando o máximo da condição natural do ambiente, também chamado no Brasil de sistema convencional), optando por sistemas fechados nas localidades em que a temperatura ambiente é extremamente elevada e, portanto, difícil manutenção da temperatura ideal de conforto para as aves. Em 100% das instalações os animais possuem acesso a luz natural.

SUÍNOS

Conheça nossas práticas na criação de suínos:

- Desde 2012, adotamos o sistema de gestação coletiva, que se tornou obrigatório em todos os projetos de expansão da produção da BRF e para os existentes, a implantação está sendo gradual.

- 99% da castração realizada é por meio de imunocastração (técnica não cirúrgica e menos agressiva, realizada por meio de aplicação de vacinas sem efeito colateral). A castração cirúrgica é feita para um reduzido grupo de animais (0,92%) destinado a elaboração de uma linha específica de produto e até no máximo 5 dias de vida do animal.

- Já estão sendo testados sistemas de tatuagens e brincos de identificação para rastreabilidade (identificação de granja de origem) do animal.

- Entre as práticas abolidas está o corte ou desgaste de dentes.

 

Para mais informações, acesse o Relatório Anual 2015 da BRF.

Imagem mobile: 
Abrir em nova janela?: