Como uma das maiores companhias de alimentos do mundo, assumimos o compromisso em ser Net Zero em emissões de gases de efeito estufa (GEE) até 2040, tanto em nossas operações como em nossa cadeia produtiva. Serão implementadas ações para reduzir, até 2030, 35% das emissões diretas geradas pelas operações da empresa (Escopo 1) e indiretas originadas pelo consumo de energia elétrica ou térmica (Escopo 2) e 12,3% das emissões indiretas e que não pertencem à Companhia (Escopo 3), além de neutralizar emissões residuais até 2040. Estas metas foram traçadas tendo como referência as emissões de 2019 e 2020, respectivamente. Com o avanço desta jornada, a BRF aderiu à Science Based Targets (SBTi) por meio da Carta de Ambição para 1,5º C. A SBTi é uma iniciativa global que oferece diretrizes para a construção de metas baseadas em ciência.

A sustentabilidade está na cultura da BRF e norteia sua estratégia de negócios. Para alcançar o novo compromisso global, vamos reforçar uma série de ações que já vem sendo implementadas em toda a nossa cadeia e incluem o aumento do uso de energia renovável, eficiência no sistema de refrigeração e logística, bem como a implementação de diretrizes em prol do Desmatamento Zero.

Com as novas metas, reforçamos o nosso comprometimento com a agenda ESG, mostrando que é possível seguir com a Visão 2030, estratégia de crescimento da Companhia, e ao mesmo tempo, garantir que nossas ações sejam feitas de forma responsável, inovadora e que impactem positivamente o meio ambiente, a cadeia produtiva e as comunidades em que estamos inseridos.

POLÍTICA DE COMPRA SUSTENTÁVEL DE GRÃOS
Cadeia livre de desmatamento
Rastreamento de 100% dos grãos adquiridos da Amazônia e do Cerrado até 2025
AGRICULTURA DE BAIXO CARBONO
Escala à utilização de energia solar em nossos integrados
ENERGIA RENOVÁVEL
Fontes eólica e solar
+50% de energia de fontes limpas até 2030
EFICIÊNCIA OPERACIONAL
Novas tecnologias de tratamento de efluentes e resíduos
Centros de Distribuição sustentáveis
Eficiência logística e combustíveis alternativos


Inovação e sustentabilidade têm grande sinergia para encontrar novas soluções para grandes desafios. A partir dessa combinação, ainda em 2021, a BRF irá implementar uma linha de produto neutro em carbono.

Transparência é o nome do jogo

Temos diversas ações já implementadas neste sentido. Tais como:

  • A BRF prioriza fontes limpas de energia, como a solar e a eólica. Hoje, cerca de 90% do consumo de energia elétrica em nível global já é proveniente de fontes renováveis. Em 2020, cerca de 3% dessa energia vinha de fontes não somente renováveis, mas também limpas. Em 2021 já estimamos fechar o ano com 25% da energia consumida vinda de fontes limpas. E nossa meta é chegar a 2030 com pelo menos 50% da nossa matriz de energia elétrica proveniente de fontes limpas.
  • Temos cerca de 30 mil hectares de área de reflorestamento plantados em oito Estados do Brasil.
  • A Companhia deu início à implementação de testes com carros elétricos em sua frota comercial, o que reduz significativamente a emissão de gases de efeito estufa.
  • Juntamente com o Banco do Brasil, planejamos a instalação de painéis de energia solar nas granjas de cerca de 700 integrados.
  • A BRF também foi a primeira empresa brasileira, em parceria com a Aleph Farms, a desenvolver carne cultivada, que deve chegar ao mercado até 2024.
  • Na frente de logística, recentemente, a BRF anunciou a construção de um novo centro de distribuição no Espírito Santo, que ocupará área de 13 mil metros quadrados e será o mais sustentável de suas operações, contando com painéis solares com capacidade para gerar até 1,5 megawatts de energia, além de reaproveitamento de água, inovações na geração de frio e veículos com zero emissão de gás carbônico.
  • Em 2020, a Companhia deu um passo importante ao estabelecer uma meta de reduzir em 20% a intensidade das emissões de gases de efeito estufa até 2030 (escopos 1 e 2) e também vem implementando iniciativas que contribuem para um compromisso climático robusto.
  • Ainda este ano, será lançada uma linha de produto neutro em carbono.

A partir de uma base muito sólida (citada anteriormente) que decidimos avançar ainda mais, assumindo o compromisso de sermos Net Zero até 2040, para isso atuando também em nossa cadeia.

  • Aderimos à plataforma Science Based Targets (SBTi), uma iniciativa global que busca o alinhamento de esforços para limitar o aquecimento do nosso planeta.
  • Vamos reduzir as emissões de gases de efeito estufa e neutralizar as residuais até 2040.
  • Isso significa uma diminuição nas emissões diretas, conhecidas como Escopo 1, e naquelas que são geradas pelo consumo de energia, chamadas de Escopo 2. Também vamos trabalhar para reduzir as emissões indiretas, as da nossa cadeia de valor, que são as conhecidas como Escopo 3.

Para isso, identificamos um conjunto de iniciativas, em quatro frentes prioritárias na nossa cadeia de valor:

  • Compra sustentável de Grãos: estamos implementando diretrizes em prol de uma cadeia livre de desmatamento. A empresa não utilizará, por exemplo, grãos do bioma amazônico de propriedades onde tenha sido praticado desmatamento. Isso significa Desmatamento Zero na Amazônia.
  • Agricultura de baixo carbono: Vamos dar escala à utilização de energia solar pelos mais de 9,5 mil produtores integrados, incubatórios e granjas próprias para implementar uma agricultura de baixo carbono nas cadeias de aves e suínos. Outra tecnologia que também terá impacto nas granjas será utilização de biogás para geração de energia.
  • Eficiência operacional: Em nossas Operações Industriais, onde estão as atividades de manufatura, já estamos buscando novas tecnologias de tratamento de efluentes e resíduos para maior eficiência e redução de emissões. Na área de Logística, considerando transporte e os nossos centros de distribuição, estamos em busca de tecnologias mais sustentáveis. Isso passa pela tecnologia utilizada para manter os nossos produtos refrigerados, pelo uso de combustíveis alternativos, pela maior eficiência logística em nosso transporte e pela melhoria de instalações atuais e construção de CDs sustentáveis.
  • Energia Renovável: Hoje, cerca de 90% do consumo de energia elétrica em nível global já é proveniente de fontes renováveis. Em 2020, cerca de 3% dessa energia vinha de fontes não somente renováveis, mas também limpas. Em 2021 já estimamos fechar o ano com 25% da energia consumida vinda de fontes limpas. Nossa meta é chegar a 2030 com mais de 50% da nossa matriz de energia elétrica proveniente de fontes limpas. Para isso, vamos investir em fontes renováveis, como eólica e solar.

Neste momento, aderimos à iniciativa Science Based Target por meio da assinatura da “Carta de Ambição para 1,5ºC” e buscamos o alinhamento do nosso compromisso e metas de redução com cenários estabelecidos pela SBTi. A validação das metas pela SBTi pode durar até dois anos após a assinatura do compromisso.

Já temos diversas iniciativas relativas a emissões de gases de efeito estufa colocadas em prática (já explicadas anteriormente). Mesmo que o processo de validação pela SBTi dure até dois anos para a aprovação oficial do compromisso, nosso objetivo é assegurar que todas as medidas cabíveis para mitigar os efeitos causados por meio de nossas operações sejam aplicadas. Assim como o desenvolvimento sustentável, enxergamos o net zero como uma jornada, e ao aderir ao compromisso, entendemos que nossa jornada já está em curso e os nossos planos serão implementados.

Evidências científicas apontam que a mudança do clima é causada pela atividade humana, e que todos sofrerão impactos socioeconômicos significativos caso o aumento da temperatura do planeta não seja limitado. Reconhecemos nosso papel nesse processo, e respondemos a ele com um compromisso ambicioso de reduzir e neutralizar nossas emissões.

Traçamos um plano que compreende todas as operações próprias da empresa e, também, da cadeia de valor. Para nos comprometermos com a data de 2040, investimos em consultorias especializadas, diagnosticamos todas as áreas da empresa a fim de termos suas recomendações, e trabalhamos em conjunto com a consultoria SITAWI. Além disso, para o aprimoramento do nosso entendimento sobre o tema, ouvimos experts, como Celso Leme (UFRJ), Marina Grossi (CEBDS), Tasso Azevedo (MapBiomas), Sonia Favaretto (SDG Pioneer pelo Pacto Global das Nações Unidas) e Ricardo Voltolini (Ideia Sustentável). Temos estratégias definidas para atingir nosso compromisso, que envolve a adoção de medidas relacionadas ao aumento de energia renovável, eficiência no tratamento de efluentes e resíduos, inovação nos sistemas de refrigeração nos centros de distribuição, eficiência logística e implementação de diretrizes em prol do Desmatamento Zero.

Nossas emissões de gases de efeito estufa são monitoradas e controladas. Nosso volume de emissões de GEE está concentrado na cadeia de valor, em especial, na agropecuária e nos processos logísticos. Na operação, cerca de 90 % já utiliza de energia renovável e um sistema de gestão ambiental que resulta em um menor perfil de emissões. A BRF conta, também, com 30 mil hectares de floresta renovável plantada, como estoque de carbono. É um impacto positivo para o meio ambiente, por contribuir para a regulação do clima e para a mitigação dos impactos gerados pelas atividades próprias. Vale ressaltar que somos membros do Programa Brasileiro GHG Protocol e seguimos a metodologia para o cálculo de nosso inventário anual de gases de efeito estufa. Nossas emissões atmosféricas e de GEE são submetidas a um modelo de gestão que obedece à legislação ambiental e às boas práticas dos mercados de atuação. O inventário de GEE é auditado por empresa externa, que compreende a análise da ferramenta de cálculo, os dados-base utilizados para calcular as emissões, bem como visitas in loco para aferir as informações utilizadas, que emite uma carta de verificação atestando as informações. Para se ter uma ideia, as emissões de escopo 1 e escopo 2 totalizaram cerca de 527 mil toneladas de CO2 equivalentes em 2019 e, em 2020, foram cerca de 475 mil toneladas. Com isso, o inventário de GEE da BRF reconhecido com o Selo Ouro pelo Programa Brasileiro GHG Protocol.

Anualmente, reportamos nossa performance relacionada às mudanças climáticas na plataforma do CDP, prezando pela transparência. Em 2021, contratamos uma consultoria especializada para apoiar no aprimoramento desse reporte, que servirá como ferramenta para acompanhar a evolução do compromisso net zero.

Nós escolhemos a opção 2 – Redução + neutralização das emissões residuais (net zero), pois compreendemos que somente a redução das emissões não é suficiente para limitar o aumento da temperatura do planeta.

A SBTi estabelece dois cenários possíveis as metas de redução: (i) alinhado ao aumento de temperatura de até 1,5oC e (ii) alinhado ao aumento de temperatura abaixo de 2oC (Well-below 2oC). Dentro dos cenários estabelecidos pela SBTi, acreditamos que a meta de redução das operações próprias da Companhia estará alinhada ao segundo cenário (Well-below 2oC), sendo o mais viável para o nosso negócio e operações neste primeiro momento.

Escolhemos nos comprometer com um cenário mais pragmático e possível, em consonância com nossos objetivos e metas. Reforçamos que temos um papel claro a desempenhar na proteção do nosso clima e garantimos que a transição para uma economia de baixo carbono seja próspera. Ao escolhermos a segunda opção, aderimos à metodologia mais adequada para a definição de metas com base científica. Ao longo do processo de validação, caso entendamos ser adequado, podemos adotar o compromisso mais ambicioso. Como estamos no início de nossa jornada, optamos por ser mais pragmáticos.

O mapeamento, quantificação e a gestão das emissões da cadeia de valor é complexo para qualquer organização e, para a BRF, não seria diferente. Temos ciência da relevância dessas emissões e já identificamos os elos prioritários e as principais iniciativas que contribuirão para a redução das emissões. Pela complexidade da cadeia da BRF e pelo fato de termos menos gestão desses dados, optamos por definir uma meta de redução alinhada ao cenário menos ambicioso disponível para o escopo 3, e iremos buscar a validação da SBTi para esta meta definida. Já identificamos três elos prioritários de atuação da BRF (i – grãos, ii – produtores integrados, iii – logística) e estamos avaliando a relevância de outros elos da cadeia.

Sim, a Companhia já fez o mapeamento e identificou os elos prioritários. As emissões de gases de efeito estufa estão concentradas, principalmente, em quatro elos da cadeia de valor da BRF. São eles:

  • Compra sustentável de Grãos: estamos implementando diretrizes em prol de uma cadeia livre de desmatamento. A empresa não utilizará, por exemplo, grãos do bioma amazônico de propriedades onde tenha sido praticado desmatamento. Isso significa Desmatamento Zero na Amazônia.
  • Agricultura de baixo carbono: Vamos dar escala à utilização de energia solar pelos mais de 9,5 mil produtores integrados, incubatórios e granjas próprias para implementar uma agricultura de baixo carbono nas cadeias de aves e suínos. Outra tecnologia que também terá impacto nas granjas será utilização de biogás para geração de energia.
  • Eficiência operacional: Em nossas Operações Industriais, onde estão as atividades de manufatura, já estamos buscando novas tecnologias de tratamento de efluentes e resíduos para maior eficiência e redução de emissões. Na área de Logística, considerando transporte e os nossos centros de distribuição, estamos em busca de tecnologias mais sustentáveis. Isso passa pela tecnologia utilizada para manter os nossos produtos refrigerados, pelo uso de combustíveis alternativos, pela maior eficiência logística em nosso transporte e pela melhoria de instalações atuais e construção de CDs sustentáveis.
  • Energia Renovável: Hoje, cerca de 90% do consumo de energia elétrica em nível global já é proveniente de fontes renováveis. Em 2020, cerca de 3% dessa energia vinha de fontes não somente renováveis, mas também limpas. Em 2021 já estimamos fechar o ano com 25% da energia consumida vinda de fontes limpas. Nossa meta é chegar a 2030 com mais de 50% da nossa matriz de energia elétrica proveniente de fontes limpas. Para isso, vamos investir em fontes renováveis, como eólica e solar.

A estratégia de neutralização da BRF está sendo aprimorada a partir de análises de custo-benefício das tecnologias existentes. Vamos buscar implementar alternativas que capturem o máximo de carbono, de forma eficiente e positiva para a biodiversidade. Atualmente, estamos avaliando os caminhos possíveis, incluindo o plantio de espécies nativas e comerciais e tecnologias de captura direta. Esse é um ramo que se desenvolverá muito nos próximos anos, a e BRF acompanhará de perto essa evolução para detalhar suas medidas.

Investimentos serão necessários para alcançar o patamar net zero. A Companhia já direciona recursos para promover a eficiência energética, gestão ambiental e demais iniciativas para reduzir o impacto ambiental, sendo precursora na captação de recursos com instrumentos financeiros sustentáveis (primeira empresa brasileira a emitir um green bond, em 2015). Desde então, os recursos desse título utilizados para iniciativas de eficiência energética já totalizam mais de R$ 300 milhões. A BRF segue avaliando a utilização desses instrumentos e estruturando futuras emissões rotuladas que contribuirão para o alcance das metas.

Implementamos diretrizes em prol de uma cadeia livre de desmatamento, seguindo as legislações aplicáveis. Nós já anunciamos o compromisso de rastrear 100% dos grãos adquiridos da Amazônia e do Cerrado até 2025. Não utilizaremos, por exemplo, grãos do bioma amazônico de propriedades onde tenha sido praticado desmatamento. Esse compromisso é parte de um conjunto de iniciativas da empresa para conquistar uma cadeia de fornecimento limpa, de acordo com os critérios socioambientais da Política de Sustentabilidade da BRF. Na prática, passamos a adotar um protocolo de originação dos grãos mais rígido, com ampla análise socioambiental dos fornecedores e suas áreas de atuação, usando tecnologia geoespacial e ciência de dados.

Em 2019, a Companhia iniciou os estudos para avaliar os benefícios ambientais ao incorporar carros elétricos em sua frota. No início de 2020, o veículo utilizado no projeto piloto realizou um percurso de aproximadamente 2.500 quilômetros com redução de 95% na emissão de GEE. Ao longo de um ano, a queda pode chegar a 8300 kg de CO2e, se comparado com um carro a combustão. A implementação de carros 100% elétricos à frota teve início no final do ano passado e a previsão é que até o final de 2022 cerca de 30 veículos estejam disponíveis para as equipes da empresa, que preza pela sustentabilidade e trabalha continuamente para a redução da emissão de gases de efeito estufa (GEE). Para complementar a ação, a Companhia instalou duas estruturas de carregamento de veículos elétricos no estacionamento de um dos seus escritórios, localizado no bairro do Jaguaré, em São Paulo. Dessa forma, os motoristas podem utilizar o fornecimento de energia conforme necessário.

No ano de 2020, foram investidos R$ 188 milhões em projetos ambientais da Companhia. Até o momento, também já fechamos a parceria com o Banco do Brasil para termos R$ 200 milhões em linhas de crédito para a implementação de painéis solares nas granjas do integrados. Para o projeto de rastreabilidade dos grãos, que inclui a ferramenta de georreferenciamento, foram aportados R$ 20 milhões. Lembramos que todo o investimento faz parte do montante de R$ 55 bilhões anunciados para a Visão 2030, e as iniciativas de Sustentabilidade, que, obviamente, incluem o Compromisso Net Zero, estão contempladas.

Movido por um conjunto de baterias carregáveis por energia elétrica, o drone contribui para a redução de emissão de carbono na atmosfera, o que contribuirá para atingirmos nossa meta de ser Net Zero até 2040, facilita a chegada às granjas, muitas delas em localidades de geografia acidentada, diminui tempo e traz ganhos ambientais. O projeto também tem como objetivos a segurança sanitária e a biosseguridade.

Em sintonia com a nossa estratégia de sustentabilidade e com os impactos potenciais da questão climática sobre o negócio, temos buscado aumentar nossa eficiência no uso de recursos naturais, no uso de energia renovável e no controle de emissões da cadeia produtiva.

Tivemos avanços bastante expressivos nesses últimos meses, como o anúncio dos primeiros contratos provenientes da parceria com o Banco do Brasil para a instalação de painéis solares nas granjas dos integrados, lançamos nosso programa de eficiência energética e, na linha de redução de gases de efeito estufa, implementamos testes de carros elétricos na frota comercial da Companhia e realizamos a primeira entrega de material genético a um produtor integrado por meio de um drone, projeto que também tem como objetivos, a segurança sanitária e a biosseguridade.